sexta-feira, junho 30, 2006 

The Real Thing


I've seen your face a thousand times
Have all your stories memorized
I've kissed your lips a million ways
But I still love to have you around
Música de Gwen Stefani
BOM FIM DE SEMANA

Posted by Clitie at 19:59 3 comments

quarta-feira, junho 28, 2006 

Por um dia... ou mais...



I, I wish you could swim
Like the dolphins, like dolphins can swim
Though nothing, nothing will keep us together
We can beat them, for ever and ever
Oh we can be
Heroes, just for one day


David Bowie

Posted by Clitie at 23:03 10 comments

terça-feira, junho 27, 2006 

As noites afluentes...

da Cidadela

Posted by Clitie at 08:15 8 comments

domingo, junho 25, 2006 

Cow parade

Entre almoços e jantares entre amigos
houve tempo para ir à "caça" das cow's...

Choco Cow...deliciosa!

Vaca amorosa... e vejam bem o que descobri lá no meio...

I LOVE SLB... (nada de avacalhar o post!)

Posted by Clitie at 21:07 9 comments

sexta-feira, junho 23, 2006 

Bom fim de semana!


Os últimos dias têm sido cheios de côr e novos sentimentos,
de boa-disposição e sorrisos,
por isso vou de fim-de-semana rever os amigos!!

Posted by Clitie at 22:56 6 comments

quarta-feira, junho 21, 2006 

O Jardim


Vamos caminhando
de mãos dadas pelo jardim,
sentemo-nos lá no fundo
debaixo daquele pessegueiro,
lembras-te do pessegueiro?
Onde passamos horas a rir
a conversar,
onde me contavas o teu dia
e eu te contava o meu dia esperando por ti.
Onde te lia os poemas que escrevia...
para ti.

Lembraste das tardes de Sol
Das tardes de chuva?
Era o nosso abrigo o pessegueiro.

Foram à sua sombra
os nossos beijos...
onde jurei que era só tua e para sempre
onde te senti meu pela primeira vez.

Continua lá o pessegueiro
com o seu aroma adocicado
que era o teu também...

(12/07/05)

Posted by Clitie at 22:51 7 comments

terça-feira, junho 20, 2006 

O canto do vento nos Ciprestes

Posted by Clitie at 22:13 2 comments

domingo, junho 18, 2006 

"Sei-te de cor"



Sei de cor
Cada traço
Do teu rosto
Do teu olhar.
Cada Sombra
Da tua voz
E cada silêncio
Cada gesto que tu faças
Meu amor sei-te de cor

Sei
Cada capricho teu
E o que não dizes
Ou preferes calar.
Deixa-me adivinhar
Não digas que o louco sou eu
Se for tanto melhor
Amor sei-te de cor

Paulo Gonzo

Posted by Clitie at 14:45 8 comments

sexta-feira, junho 16, 2006 

Fim de semana

Entre FNAC, Bertrand, cafés e crepes de chocolate...
um fim de semana prolongado cheio
de encontros agradáveis...
Bom Fim de Semana!

Posted by Clitie at 21:52 6 comments

quarta-feira, junho 14, 2006 

O canto do vento nos Ciprestes



Há pouco quis ir lá acima para ver como estavas; se
ainda tinhas dores, ou febre - ou medo (porque já
estava a escurecer); se querias que te lesse o que vem
no jornal sobre as feridas do mundo (mesmo sabendo
que esse mundo já não vai ser o teu) ou que te levasse
para junto da janela, onde ao cair da noite o vento
deixa as dunas desgrenhadas e as aves são como lenços
rasgados sobre o mar. A meio da escada, o olhar órfão

da cadela e das flores secas no vaso lembram-me
que era tarde de mais para tudo isso: nesta casa,
a partir de agora, os degraus só se podem descer.

Maria do Rosário Pedreira

Posted by Clitie at 22:26 3 comments

terça-feira, junho 13, 2006 

Fernando Pessoa


Poeta, ficcionista, dramaturgo, filósofo, prosador, Fernando Pessoa, um dos maiores génios poéticos de toda a nossa Literatura, é a mais complexa personalidade literária portuguesa e europeia do século XX. A sua poesia acabou por ser decisiva na evolução de toda a produção poética portuguesa do século XX. Se nele é ainda notória a herança simbolista, Pessoa foi mais longe, não só quanto à criação (e invenção) de novas tentativas artísticas e literárias, mas também no que respeita ao esforço de teorização e de crítica literária. É um poeta universal, na medida em que nos foi dando, mesmo com contradições, uma visão simultaneamente múltipla e unitária da Vida. É precisamente nesta tentativa de olhar o mundo duma forma múltipla (com um forte substrato de filosofia racionalista e mesmo de influência oriental) que reside uma explicação plausível para ter criado os célebres heterónimos - Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis, sem contarmos ainda com o semi-heterónimo Bernardo Soares.
Fernando Pessoa nasceu em Lisboa em 1888 (onde virá a falecer) e aos 7 anos partiu para a África do Sul com a sua mãe e o padrasto, que foi cônsul em Durban. Aqui fez os estudos secundários, obtendo resultados brilhantes, e redigiu alguns dos seus primeiros textos poéticos, atribuídos a pseudónimos, entre os quais se salienta o de Alexander Search. Em fins de 1903 faz o exame de admissão à Universidade do Cabo. Com esta idade (15 anos) é já surpreendente a variedade das suas leituras literárias e filosóficas. Em 1905 regressa definitivamente a Portugal; no ano seguinte matricula-se, em Lisboa, no Curso Superior de Letras, mas abandona-o em 1907. Decide depois trabalhar como "correspondente estrangeiro" e dedica-se a uma vida literária intensa.Em 1912 estreia-se na revista A Águia com artigos de natureza ensaística. 1914 é o ano da criação dos três conhecidos heterónimos e em 1915 lança, com Mário de Sá-Carneiro, José de Almada-Negreiros e outros, a revista Orpheu, revista que assinala a afirmação do modernismo português e cujo impacto cultural e literário só pôde cabalmente ser avaliado por gerações posteriores. Participou na fundação de algumas revistas e colaborou noutras - A República, A Renascença, A Capital, Exílio, Centauro, Portugal Futurista, Athena, Contemporânea, Revista Portuguesa, Presença.
Pessoa marcou profundamente o movimento modernista português, quer pela produção teórica em torno do sensacionismo, quer pelo arrojo vanguardista de algumas das suas poesias, quer ainda pela animação que imprimiu à revista Orpheu (1915). No entanto, quase toda a sua vida decorreu no anonimato. Quando morreu, em 1935, publicara apenas um livro em português, Mensagem (no qual exprime poeticamente a sua visão mítica e nacionalista de Portugal), e deixou a sua famosa arca recheada de milhares de textos inéditos. A editora Ática começou a publicar a sua obra poética em 1942. No entanto, já o grupo da Presença tinha iniciado a sua reabilitação (poética e filosófica) face ao público e à crítica.

Posted by Clitie at 21:45 4 comments

domingo, junho 11, 2006 

Ricardo Carvalho




Quem me conhece sabe que gosto de futebol, sou Benfiquista e vejo os jogos e grito e digo coisas que não vou contar aqui...

Sabem que o meu jogador preferido sempre foi o Rui Costa, que para delirio dos Benfiquista e meu voltou à casa amada.

Agora que não há o Rui Costa na selecção... recaiem as atenções sobre o Ricardo Carvalho... qual Figo, qual Cristiano, qual Deco!! Eu gosto mesmo é deste defesa central de Abrantes! Este menino ajuda a defender a nossa baliza com muita garra e ainda dá uma mãozinha aos avançados.

Assim, vou ficar pregada ao ecrã a apreciar os nossos jogos e as grandes exibições do Ricardo.

Posted by Clitie at 12:22 8 comments

 

Polonia 0 Equador 4

Não sei se ouvi bem... mas a dada altura nas noticias do mundial ouvi que o selecionador do Equador impôs aos jogadores restrições sexuais e dai a equipa ter ganho...
Alguém me explica isto?
Ele há coisas!!

Posted by Clitie at 12:19 1 comments

sábado, junho 10, 2006 

Dia de Camões e de Portugal.

Velho do Restelo

Personagem de Os Lusíadas (canto IV, estâncias 94 a 104) geralmente considerada representativa da velha nobreza da época, que defendia a expansão portuguesa para o Norte de África em detrimento do rumo do Oriente, preferido pela burguesia.
Quando as mães lamentam a partida dos filhos, seu último amparo, quando as esposas clamam os seus direitos sobre os seus esposos, enfim, quando na hora da partida de Belém (Lisboa) a multidão se contorce com dores e angústias, ergue-se a voz de um Velho de "aspeito venerando" com um saber de experiências feito a condenar a expedição e a motivação moral que a inspira e promove. Quem é este velho? O que representa ele?Muito se tem escrito sobre o significado deste controverso episódio. No plano histórico, o velho representaria a opinião daqueles que, nessa altura, se opunham à ida à Índia. Era a velha nobreza que defendia a nossa expansão para o norte de África, mais fácil e mais proveitosa, em oposição à burguesia ascendente que pretendia o Oriente. No plano humano, representaria a voz do bom senso que aconselhava a que não se ultrapassassem os limites permitidos pelas possibilidades humanas e se evitassem aventuras que poderiam terminar em desgraças. É por isso que o Velho evoca, para os condenar, os símbolos da insatisfação: Adão, Faetonte, Dédalo, Ícaro e Prometeu.O problema começa quando comparamos a tese da obra - a ida à Índia - com as palavras do velho, condenatórias da mesma empresa. Não haverá aqui uma contradição insanável? Será possível conciliar aspectos aparentemente contraditórios?É provável que Camões tenha querido expor, no momento da partida, o que se passava na sociedade portuguesa; é aceitável que Camões aproveite a ocasião para denunciar falsos oportunismos e mesquinhos interesses, como fará mais tarde ao longo de vários Cantos; é bem possível que o Velho funcione a favor da tese da obra: apesar das suas palavras negativas, a viagem faz-se; os heróis não temem os riscos, a ousadia é a sua alma. Chegando à Índia, como chegaram, conquistaram o mar. Neste sentido, por linhas travessas ter-se-á escrito direito. Assim a voz do Velho seria mesmo a de um humanista - aqui o alter-ego de Camões - que, evidenciando as dificuldades e defendendo aparentemente o mais fácil, acabou por salientar o acontecimento, o valor do ser humano, aquele "bicho da terra tão pequeno" (I, 106) que, novo Ícaro, novo Prometeu, aposta e vence.
Neste dia de Protugal achei por bem fazer referencia a uma das nossas obras de "culto", que nos conta parte da história deste povo de maneira genial e que poucas pessoas têm a "paciência" de ler.
E porque as mentalidades continuam muito parecidas, hoje, às do velho do Restelo descrito por Camões.

Posted by Clitie at 11:03 4 comments

sexta-feira, junho 09, 2006 

Dia Nacional do Cão???

Foi o que ouvi , dito pelo Professor Marcelo, querem instituir o dia do cão!!
E eu (que não tenho nada contra que haja um dia para o bichinho) pergunto e do gato? Ninguém pensou no GATO???
(estou de volta, depois de uns dias sem net e outros sem apetide para escrever/postar e o que mais... volto a dar vida a esta casa que tem sabor especial para mim. Beijinhos aos que têm passado cá e um delicioso fim de semana!!!)

Posted by Clitie at 22:47 7 comments

sábado, junho 03, 2006 

Amor I love You

Hoje acordei com esta música...e senti-me logo tão bem!


Deixa dizer que te amo
Deixa eu pensar em você
Isso me acalma me acolhe a alma
Isso me deixa viver

Hoje contei pras paredes
Coisas do meu coração
Passeei no tempo
Caminhei nas horas
Mais do que passo a paixão
É um espelho sem razão
Quer amor fique aqui

Meu peito agora dispara
Vivo em constante alegria
É o amor quem está aqui

Amor I love You
Amor I love You...

(Marisa Monte)

Posted by Clitie at 10:39 15 comments

quinta-feira, junho 01, 2006 

Tempo

(óleo de Clitie)

É bem verdade que o tempo nunca chega para tudo e por isso há coisas que vão ficando para trás... Entre o trabalho, o estudo e as telas ficou este cantinho atrasado.
Cada vez arranjamos mais coisas para fazer e o tempo continua o mesmo.

Posted by Clitie at 21:18 5 comments

Outros blogues